<p><strong>Dr. Celso Cruzeiro</strong><br />
Diretor Clínico<br />
Casa de Saúde Santa Filomena | Coimbra</p>

“Os utentes em primeiro lugar e a excelência no trabalho são as premissas do sucesso."

Dr. Celso Cruzeiro
Diretor Clínico
Casa de Saúde Santa Filomena | Coimbra

“Os utentes em primeiro lugar e a excelência no trabalho são as premissas do sucesso."

<p><strong>Dr. Celso Cruzeiro</strong><br />
Diretor Clínico<br />
Casa de Saúde Santa Filomena | Coimbra</p>

Dr. Celso Cruzeiro
Diretor Clínico
Casa de Saúde Santa Filomena | Coimbra

<p><strong>Dr. Jorge Costa</strong><br />
Diretor Clínico<br />
Hospital São Francisco | Leiria</p>

“Queremos estar aqui para si e para a sua família. Contribuir para a sua saúde e bem-estar.

Com as melhores condições, equipamentos, meios de diagnóstico e soluções médico-cirúrgicas diferenciadas ao seu dispor.

Competência, experiência e dedicação. Perto de si.”

Dr. Jorge Costa
Diretor Clínico
Hospital São Francisco | Leiria

“Queremos estar aqui para si e para a sua família. Contribuir para a sua saúde e bem-estar.

Com as melhores condições, equipamentos, meios de diagnóstico e soluções médico-cirúrgicas diferenciadas ao seu dispor.

Competência, experiência e dedicação. Perto de si.”

<p><strong>Dr. Jorge Costa</strong><br />
Diretor Clínico<br />
Hospital São Francisco | Leiria</p>

Dr. Jorge Costa
Diretor Clínico
Hospital São Francisco | Leiria

A SANFIL MEDICINA em números.

Clínicas e Hospitais Sanfil
9 Unidades Clínicas
e Hospitalares
Médicos e enfermeiros sanfil
+ de 800 Médicos,
enfermeiros e técnicos
Especialidades e Serviços Sanfil
+ de 60 Especialidades
e Serviços
Acordos de saúde sanfil
+ de 30 Acordos de saúde e convenções

Serviços

Um conjunto de serviços, adequados a cada situação, para assegurar os melhores cuidados de saúde.

Exames de Cardiologia sanfil medicina
Exames de Cardiologia sanfil medicina

Exames de Cardiologia

Consultar Serviço
Análises Clínicas
Análises Clínicas

Análises Clínicas

Consultar Serviço
Atendimento Permanente
Atendimento Permanente

Atendimento Permanente

Consultar Serviço
Bloco Operatório
Bloco Operatório

Bloco Operatório

Consultar Serviço

Notícias

03
Jun

Dia Internacional do Enfermeiro

No dia 12 de maio de 2024 assinalou-se o Dia Internacional do Enfermeiro, e a SANFIL MEDICINA fez questão de lembrar a todos os seus colaboradores e população em geral a importância desta profissão e de cada enfermeiro nos cuidados prestados nas suas Instituições. Para tal foram colocados cartazes em todos as unidades com uma importante mensagem, foram distribuídas fitas identificadoras para todos os enfermeiros do GSM e proporcionou-se um pequeno momento de convívio e partilha nos serviços que se encontravam em funcionamento nesse domingo.

Os enfermeiros são quem está sempre ao lado do doente, em todas as horas no período de internamento, são a 1.ª e última cara que o utente vê numa ida ao bloco operatório, quando é submetido a uma cirurgia; são a 1.ª pessoa que ouve atentamente as suas queixas, numa situação aguda/urgente, num atendimento permanente; são o apoio na realização de um exame mais invasivo.

Por tudo isto, não podemos nunca esquecer-nos dos enfermeiros, num dia tão significativo!  

Ler Notícia

03
Jun

Vem aí o Arraial BBT, a grande festa deste Verão

O Grupo BBT, que detém as empresas da SANFIL MEDICINA, DIATON, NEFROVIDA, SINESPAÇO, SC2012 e GEHC, está a organizar um Arraial de Verão, que se irá realizar no próximo dia 15 de junho, no iParque, em Coimbra.

Este evento corporativo, que tem como objetivo principal a celebração de mais um ano de atividade e o convívio entre todos os trabalhadores, pretende também proporcionar às famílias do Grupo, uma tarde de muita animação e criatividade.

A festa terá como temática os Santos Populares e os tradicionais arraiais portugueses, e o programa com atrações diversificadas promete tornar este arraial no melhor momento do verão.

Já se inscreveu?

 

 

Ler Notícia

03
Jun

Tomada de Posse do Conselho Médico – Global Health Company

Tomou posse, no passado dia 10 de Maio, no iParque em Coimbra o Conselho Médico da Global Health Company. O momento foi assinalado com a presença de todos os seus elementos, pela Administração da Sociedade e pelos Accionistas do Grupo, que transmitiram e reforçaram o voto de confiança no trabalho a desenvolver durante o seu mandato.

A Global Health Company, holding da área da saúde hospitalar, que engloba a Sanfil Medicina, a Diaton e a Nefrovida, tem registado um grande crescimento de prestação de cuidados diferenciados de saúde, assim como uma clara expansão territorial. Esta conjuntura veio realçar a necessidade de reforçar as estruturas de apoio clínico que possam promover a normalização de procedimentos e a criação de orientações transversais, através da emissão de pareceres ou deliberações técnicas, no total respeito pela Ética e Deontologia Médica.

Na sua intervenção, o  Professor Doutor Adriano Rodrigues, Presidente do Conselho Médico, dirigindo-se aos presentes, começou por agradecer a confiança da Administração e a disponibilidade dos elementos que integram o Conselho Médico, destacando o seu elevado e reconhecido nível científico e profissional. Sublinhou ainda a importância deste órgão como parte fundamental da organização e evolução do grupo, na procura constante de soluções que melhorem a prestação dos cuidados médicos.

Membros do Conselho Médico:
Adriano Rodrigues - Presidente
Celso Cruzeiro
Catarina Romãozinho
Edgar Rebelo
Gustavo Mota
Henrique Rodrigues
Helena Vasconcelos
João Almeida
Manuel Faria João
Marisa Violante
Nuno Moinho
Nuno Rama
Rogério Teixeira
Sílvio Bollini
Sidónio Matias

Ler Notícia

Conheça o nosso blog

dia internacional do enfermeiro sanfil medicina

Dia Internacional do Enfermeiro

No dia 12 de maio celebra-se o Dia Mundial do Enfermeiro, instituído pelo Conselho Internacional dos Enfermeiros, e que remete para a data de aniversário de Florence Nightingale, considerada a fundadora da enfermagem moderna.

Este é um dia de celebração, mas também de reflexão sobre a importância dos enfermeiros na proteção e promoção da saúde, na gestão da doença e na recuperação e reabilitação dos doentes.
Os enfermeiros são profissionais que respondem à elevada exigência da profissão e da prestação de cuidados de saúde atuais com a combinação de competências técnicas, científicas e humanas. São um dos principais pilares da prestação de cuidados de saúde em todas as instituições e comunidades.
Responsáveis por uma grande variedade de tarefas, como a realização de avaliações individuais, triagens, avaliação de sinais vitais ou a administração de medicamentos, os enfermeiros focam-se em oferecer cuidados individualizados às pessoas, além de colaborarem com outros profissionais de saúde, desde médicos a fisioterapeutas e assistentes sociais, garantindo uma abordagem interprofissional. 
Como características fundamentais no desempenho de qualquer função de enfermagem, destaca-se a vertente humana e a empatia, que fazem toda a diferença na prestação de cuidados! Os enfermeiros são os profissionais de saúde que dedicam mais tempo junto às pessoas, estando presentes nos diversos momentos da vida do ser humano, garantindo conforto e suporte emocional. 

Obrigado a todos os enfermeiros pela entrega, dedicação e competência. Que o seu valor seja reconhecido por todos.


Florence Nightingale
Florence Nightingale foi uma enfermeira que seguiu a sua vocação, mesmo contra a vontade dos pais, numa altura em que a enfermagem não se constituía como atividade profissional.
Experiente e dedicada, ficou conhecida quando, em 1854, contribuiu para a melhoria das práticas de higiene e controlo de infeção no hospital onde exercia, na Guerra da Crimeia, cujas condições eram degradantes e insalubres.
Incansável, nunca deixou de ajudar todos os que dela precisavam, mesmo à noite, fazendo-se acompanhar por uma lamparina, ficando, por isso, conhecida como “A Senhora da Lamparina”.

Conheça um pouco melhor a história de Florence Nightingale aqui.

o que é a asma, sintomas e tratamento

Asma: o que é, sintomas e tratamento

A Asma Brônquica é definida, pela Global Initiative for Asthma (GYNA), como uma doença heterogénea, isto é, que tem múltiplas formas de apresentação, caracterizada pela inflamação crónica das vias aéreas e definida pela presença de sintomas respiratórios, tais como pieira (som reproduzido pela passagem de ar na via aérea obstruída), dispneia (falta de ar), opressão torácica e tosse .

CAUSAS
Existem vários fatores ambientais que podem desencadear um ataque de asma, como por exemplo:
- Alergénios - ácaros domésticos, pelo de animais, baratas, pólenes;
- Exercício físico;
- Emoções fortes;
- Fumo de tabaco;
- Genética - ter um membro da família, pais ou irmão com asma;
- Infeções respiratórias;
- Irritantes ocupacionais;
- Irritantes químicos e medicamentos (aspirina e beta-bloqueadores).
- Poluição ambiental.

SINTOMAS
Alguns dos sinais e sintomas comuns, incluem:
- Falta de ar;
- Sensação de opressão, aperto ou dor no peito;
- Tosse;
- Pieira (chiadeira ao respirar);
- Ataques de tosse e respiração ofegante que agravam com infeções víricas ou outra doença respiratória;
- Dificuldade em dormir à noite devido à falta de ar, tosse ou respiração ofegante.
Nem todas as pessoas com asma apresentam os mesmos sintomas, e sintomas diferentes podem ocorrer em épocas diferentes do ano e em momentos distintos ao longo da vida. Podem ocorrer eventos agudos, caracterizados pelo aumento destes sintomas respiratórios num curto espaço temporal, chamados de agudizações.

DIAGNÓSTICO
O diagnóstico de asma é feito, essencialmente, através do histórico clínico do doente e exame físico, que são complementados com a realização de exames auxiliares de diagnóstico tais como:
- Exames da Função Pulmonar – Espirometria
- Testes de Alergia – Prick-Test
- Exames de Radiologia – Rx Tórax
- Análises Laboratoriais

EXISTE CURA PARA A ASMA?
Não existe, atualmente, forma de reverter as alterações das vias aéreas, ou seja, não existe cura para a asma. Assim sendo, o tratamento para a asma tem como objetivo reduzir os sintomas, melhorar a função pulmonar e prevenir agudizações, de forma a melhorar a qualidade de vida do doente. Para que isso se concretize, em muitos doentes a terapêutica deve ser administrada diariamente. 
Embora não haja cura para a asma, esta doença pode ser tratada e controlada, permitindo que a maioria das pessoas leve uma vida produtiva e ativa.

TRATAMENTO
O esquema terapêutico é elaborado em função de cada utente, sendo que o tratamento mais utilizado são os inaladores, com a finalidade de reduzir a quantidade de inflamação e sensibilidade das vias respiratórias. Isso ajuda a impedir a ocorrência de sintomas de asma.
Dependendo dos sintomas, podem ser prescritos outros tratamentos mais diferenciados, como Imunoterapia (Vacinas) ou medicamentos biológicos terapias complementares, como exercícios de respiração, para ajudar a aprender a respirar melhor com asma e aumentar a capacidade pulmonar.
Apesar das terapêuticas farmacológicas instituídas, ainda há uma grande parte dos doentes que não adere totalmente aos tratamentos, o que leva a que continuem com a asma não controlada.

Caso tenha algum dos sintomas acima apresentados, não hesite em procurar um dos nossos profissionais.

Dra. Teresa Almeida
Pneumologista
Casa de Saúde Santa Filomena | Coimbra

lavagem das mãos

Passos para uma correta higienização das mãos

As mãos são um dos principais meios de transmissão de bactérias e vírus, sendo a sua higienização uma das medidas mais efetivas para prevenir a propagação de germes. Este passo é fundamental em todas as situações do dia a dia, para quebrar o ciclo de disseminação de microrganismos, em especial entre paciente e profissionais de saúde.

Saiba quais são os passos a seguir para uma correta higienização das suas mãos.
É aconselhado que este processo dure aproximadamente 60 segundos, o tempo de cantar “parabéns a você” duas vezes.

Comece por molhar as mãos e cobrir a palma com sabão e, de seguida, siga os passos:

1. Esfregar as palmas das mãos uma na outra, entrelaçando os dedos. 

2. Esfregar a palma de uma mão sobre o dorso da mão oposta e vice-versa, entrelaçando os dedos. 

3. Cruzar as mãos e fazer movimentos vaivém para esfregar o espaço entre os dedos.

4. Esfregar a parte de trás dos dedos, pressionando uma mão contra a outra.

5. Esfregar os polegares de cada mão. 

6. Esfregar as palmas de cada mão com os dedos da mão oposta, em forma circular.

Durante este processo, não se esqueça dos punhos e do espaço debaixo das unhas. No final, deve secar as mãos, preferencialmente, com um toalhete de papel, se estiver fora de casa, e usá-lo para fechar a torneia.

Proteja-se a si e aos que o rodeiam.
Salve vidas, lave as suas mãos.

 

 

zona ou herpes-zóster - o que é

Zona ou Herpes-Zóster: das formas de transmissão ao tratamento

O QUE É A ZONA?
A zona ou herpes-zóster é uma doença infeciosa que resulta da reativação do vírus da varicela, ou seja, a zona só afeta pessoas que tenham tido varicela. Após a infeção inicial, que corresponde à varicela, o vírus inativo aloja-se em células nervosas. Contudo, pode reativar-se mais tarde, originando a doença.

QUEM PODE SER INFETADO? 
Normalmente, a zona surge em pessoas mais velhas. No entanto, também pode afetar crianças.

PRINCIPAIS FATORES DE RISCO
- Sistema imunitário mais debilitado (imunodeprimidos);
- Idade avançada;
- Contacto com outra pessoa infetada com varicela ou herpes-zóster;
- Infeção, traumatismo ou cirurgia.

TRANSMISSÃO 
A transmissão do vírus da varicela ocorre através do contacto direto com as lesões cutâneas ou com objetos contaminados. O período de contágio decorre até as lesões da pele estarem em fase de crosta. Só os indivíduos que nunca tenham sido infetados pelo vírus varicela zóster estão em risco de contágio e, nesse caso, a pessoa contagiada irá manifestar varicela.

SINTOMAS
O principal sintoma são pequenos grupos de vesículas ou bolhas que se formam sobre uma área avermelhada. É mais frequente no tronco, mas pode surgir noutras localizações do corpo. As lesões surgem apenas num dos lados do corpo e não cruzam a sua linha média. As vesículas surgem durante 3 a 5 dias e evoluem para crostas, que acabam por desaparecer ao fim de 7 a 10 dias. Nos dias que antecedem o aparecimento das lesões da pele é comum haver dor, ardor ou comichão no local. A principal complicação da zona acontece quando a dor persiste mais de quatro semanas nas áreas afetadas, podendo ser bastante incapacitante e durar meses ou mesmo anos. Quando isto acontece, trata-se de neuralgia pós-herpética.

DIAGNÓSTICO
O diagnóstico da zona é clínico e faz-se através da observação da área de pele afetada.

TRATAMENTO
O tratamento da zona é feito através da administração de medicamentos antivíricos por via oral, com especial importância nas primeiras 72 horas após o início das lesões, pois diminui a duração da doença e o risco de complicações. Além disso, é importante promover o alívio da dor, com recurso a analgésicos, assim como cuidados gerais com a pele, para impedir o surgimento de infeções secundárias.

PREVENÇÃO
A vacina contra o herpes-zóster diminui a probabilidade de se ter zona e está aprovada para pessoas com mais de 50 anos. A vacinação pode ser igualmente útil em pessoas imunodeprimidas, devendo esta situação ser avaliada, caso a caso, juntamente com o médico assistente.

Se desenvolver algum dos sintomas descritos, consulte um dos nossos especialistas.  

 

Dra. Maria Miguel Canelas
Dermatologista
Clínica Santa Filomena | Coimbra, Olivais

terapia da fala: quando procurar um especialista

Terapia da fala: quando procurar um especialista?

A Terapia da Fala vai muito além da simples correção da fala, é essencial para ajudar na comunicação, na deglutição (engolir) e na linguagem.

O Terapeuta da Fala é o profissional de saúde responsável pela prevenção, avaliação, diagnóstico e tratamento de perturbações relacionadas com a comunicação humana (problemas de voz, de articulação, de fluência e de linguagem) de etiologia variada, em crianças e adultos.

Fique a saber como é o trabalho desenvolvido pelo Terapeuta da Fala e conheça os sinais de alerta para marcação de uma consulta.
 

QUAIS AS ÁREAS DE INTERVENÇÃO DO TERAPEUTA DA FALA?
- Comunicação
: perturbações do Espetro do Autismo, algumas síndromes ou consequências de acidentes que condicionem a comunicação;
- Linguagem oral: perturbações e atrasos da linguagem;
- Linguagem escrita: perturbações na leitura e na escrita;
- Articulação/fala: dificuldade em articular um ou mais sons da fala;
- Motricidade orofacial: casos de respiração oral, alterações estruturais e funcionais da musculatura facial e intraoral;
- Alimentação e Deglutição: alterações na mastigação e deglutição, adequação da sensibilidade oral;
- Voz: dificuldades na voz/disfonias por nódulos, pólipos, entre outros;
- Fluência: alterações na velocidade, repetições de silabas, sons.
 

A TERAPIA DA FALA É SÓ PARA CRIANÇAS?
Não, o terapeuta da Fala pode apoiar crianças, adultos e idosos, nas mais variadas áreas de intervenção.
 

QUANDO PROCURAR UMA AVALIAÇÃO EM TERAPIA DA FALA?
Existem alguns sinais que podem alertar para a necessidade de uma avaliação em terapia da fala, que variam consoante a idade, nomeadamente:

Crianças
- Dificuldade em estabelecer o contacto ocular;
- Dificuldade em compreender instruções simples;
- Aos 2 anos dizer apenas 4/6 palavras;
- Aos 3 anos não se fazer entender fora do círculo familiar;
- Aos 4 anos apresentar fala pouco percetível;
- Com mais de 4 anos evidenciar sinais claros de gaguez;
- Aos 5 anos omitir e trocar sons nas palavras;
- Aos 5-6 anos ter dificuldade em recontar uma história/dia; não percebe que as frases são formadas por palavras, e que as palavras se segmentam em sílabas;
- Aos 6 anos não articular corretamente todos os fonemas do português;
- Repetir sempre o que lhe é dito, sem ou com pouca função comunicativa;
- Ter dificuldade a aprender a ler/escrever;
- Trocar sons ou letras quando está a ler ou a escrever;
- Dificuldade em compreender o que lê;
Rouquidão frequente e/ou esforço ao falar;
- Respirar essencialmente pela boca;
- Dificuldade na alimentação (mastigação e deglutição).

Adultos
- Dificuldade em transmitir informações de forma clara;
- Alterações na compreensão e/ou expressão após lesão cerebral (ex. AVC);
- Gaguez;
Rouquidão persistente;
- Apresentar alterações na motricidade oro-facial e, consequentemente, alterações na fala e/ou deglutição;
- Dificuldade em compreender instruções simples;
- Dificuldade na alimentação: na deglutição de alimentos de diferentes texturas, na mastigação e no controlo da saliva ou alimentos dentro da boca; engasgos frequentes.
 

SERÁ QUE O MEU FILHO NECESSITA DE UMA AVALIAÇÃO EM TERAPIA DA FALA?
Para perceber se o seu filho necessita de uma avaliação, reflita sobre as seguintes questões:
- Apresenta dificuldades em comunicar?
- Diz poucas palavras e /ou comunica com gestos?
- Não constrói frases?
- Tem mais de 4 anos e gagueja?
- Troca, omite, distorce ou adiciona determinados sons enquanto fala?
- Tem dificuldade na leitura e/ou escrita?
- Não entende o que ouve?
- Tem dificuldades em mastigar?
- Está muitas vezes rouco?
- Respira muito pela boca?

Estando perante algum destes sinais, será importante solicitar uma avaliação em terapia da fala com um dos nossos especialistas, de forma a compreender se as alterações apresentadas necessitam, ou não, de uma intervenção específica.

Alterações tratadas mais precocemente apresentam prognósticos mais favoráveis.

Dra. Sandra Coelho 
Terapeuta da Fala 
Hospital São Francisco | Leiria
Clínica São Francisco | Alcobaça
Clínica São Francisco | Pombal  

doenças sexualmente transmissíveis: sintomas e tratamentos

Doenças Sexualmente Transmissíveis: sintomas, doenças mais comuns e tratamentos

O QUE SÃO?
As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) são infeções por bactérias, vírus, fungos ou parasitas, que são transmitidos através de relações sexuais com um parceiro infetado.
Todas as DST são adquiridas por contacto sexual, seja ele vaginal, anal ou oral. Porém, algumas também podem ser transmitidas por contacto com fluidos corporais como sangue (ou materiais contaminados com sangue) ou de mãe para filho durante a gravidez, o parto ou amamentação.
É importante a prevenção, o diagnóstico e o tratamento precoce das DST. Isto porque estas doenças podem ter implicações graves na saúde e qualidade de vida a longo prazo, uma vez que aumentam o risco de cancro, infertilidade, cirrose, aborto e parto prematuro. Em alguns casos estas doenças podem ser fatais.

TRATAMENTO
O tratamento das infeções sexualmente transmissíveis depende da infeção em causa. O objetivo pode ser a cura total ou o controlo, de forma a impedir o seu agravamento e consequências mais nefastas (como o VIH - Vírus da Imunodeficiência Humana ou o HPV - Vírus do Papiloma Humano).

PREVENÇÃO
A prevenção é possível e deve ser a prioridade. As formas mais eficazes são:
- O uso de preservativo (masculino ou feminino), sempre;
- A vacinação, nas situações em que tal é possível (HPV e Hepatite B). 

Na prevenção das DST, que também são transmissíveis por via sanguínea, para além das medidas anteriores, também é importante:
- Não partilhar objetos cortantes de uso pessoal (lâminas, tesouras, agulhas);
- Não partilhar seringas e outros instrumentos usados na preparação e consumo de drogas injetáveis e inaláveis;
- Desinfetar feridas, tapá-las com pensos e ligaduras e evitar tocar noutra pessoa com zonas da ferida aberta;
- No caso de querer realizar piercings ou tatuagens, verificar se o local onde se realizam garante as medidas sanitárias necessárias (a não partilha de materiais acima descritos entre clientes). Além desses, procedimentos de manicure e pedicure que possam causar sangramento, também deve garantir estas medidas sanitárias.

As DST mais frequentes e conhecidas são o HIV, o HPV, a Hepatite B, a Gonorreia, a Sífilis e a Clamídia.
Fique a conhecê-las um pouco melhor.
 

VIH - VÍRUS DA IMUNODEFICIÊNCIA HUMANA 
O VIH transmite-se sexualmente, pelo contacto com sangue contaminado, durante a gravidez, parto e amamentação e ataca o sistema imunitário, destruindo os glóbulos brancos, que são responsáveis pela defesa do organismo.

SINTOMAS
Inicialmente, podem não existir sintomas ou surgir um quadro semelhante a gripe, com febre, dores generalizadas e dores de garganta, durante cerca de 1 a 4 semanas após a infeção. Também pode acontecer a infeção não causar sintomas durante vários anos. No entanto, sem tratamento, durante esse período, o vírus continua a destruir o sistema imunitário causando sintomas de cansaço, falta de apetite, perda de peso e suores noturnos.
Numa fase mais avançada, as defesas estão tão frágeis, que surgem infeções “oportunistas” (infeções que a pessoa não teria em situação normal ou que conseguiria combater sem dificuldade) – esta é a fase que designamos por SIDA - Síndrome de Imunodeficiência Adquirida.

TRATAMENTO
Durante muitos anos, a infecão pelo VIH foi uma sentença. Hoje, assemelha-se a uma doença crónica, uma vez que existem fármacos com capacidade de travar a multiplicação do vírus e evitar que este destrua o sistema imunitário. No entanto, há que ter em atenção que isto só é possível com um diagnóstico e tratamento atempado.
 

HPV - VÍRUS DO PAPILOMA HUMANO 
O HPV é a infecão sexualmente transmissível mais frequente. Este vírus instala-se nas células de revestimento do corpo (pele e mucosas) e pode ter muitas evoluções diferentes, até porque existem mais de 100 subtipos deste vírus.
Após o contágio, a infeção pode desaparecer espontaneamente entre 1 a 2 anos, ou permanecer assintomática.

SINTOMAS
O sinal mais comum e característico é o aparecimento de verrugas nos genitais, no ânus ou na pele, 1 a 6 meses após o contágio. Estas verrugas podem não incomodar, mas também podem causar comichão e ardor. Se o sistema imunitário estiver enfraquecido (como nos doentes com VIH), as verrugas podem espalhar-se pelo corpo. Eventualmente, pode vir a desenvolver-se cancro, principalmente se estiverem presentes os subtipos HPV 16 e HPV 18.
O cancro pode acontecer no colo do útero, vulva, vagina, ânus ou pénis e, também, na garganta e na laringe. Doentes que nunca tenham sentido verrugas também podem ter cancro, principalmente em subtipos mais cancerígenos, uma vez que as verrugas podem ser de difícil visualização e diagnóstico.

TRATAMENTO
Não existem ainda medicamentos que eliminem o vírus do organismo, no entanto, na maior parte das vezes, é o próprio sistema imunitário a eliminá-lo.
Apesar de poderem reaparecer, as verrugas podem ser tratadas com recurso a:
- Crioterapia;
- Laser;
- Substâncias químicas;
- Remoção por cirurgia. 

RASTREIO E PREVENÇÃO
O rastreio do cancro do colo do útero é de enorme importância e deve ser realizado por todas as mulheres que tenham iniciado a vida sexual, pois o HPV é a principal causa deste tipo de cancro. O rastreio consiste na citologia cervico-vaginal ou na pesquisa do vírus HPV, sendo que esta última começa a ser o mais habitual. A periodicidade depende do tipo de pesquisa, citologia e resultados encontrados. Está previsto no Programa Nacional para as Doenças Oncológicas da Direção-Geral da Saúde (DGS), ser realizado nas mulheres com útero entre os 25 e os 64 anos, de 5 em 5 anos.
O século XXI trouxe a vacina contra alguns subtipos mais agressivos de HPV, que foi contemplada no Plano Nacional de Vacinação (PNV) em 2008 para as jovens e, em 2020, para os jovens. Hoje, faz parte do PNV a vacinação de todas as jovens com 10 anos de idade e todos os jovens nascidos a partir de 2009.
 

HEPATITE B
A Hepatite B é causada pelo vírus com o mesmo nome e consiste na inflamação do fígado e transmite-se por via sexual, pelo sangue, instrumentos contaminados e de mãe infetada para recém-nascido. 

Esta doença pode evoluir para uma situação em que o fígado deixa de funcionar (sendo necessário transplante hepático) ou pode transformar-se numa doença crónica que, mesmo com tratamento, pode causar cancro do fígado.

SINTOMAS
Os sintomas não são específicos e as queixas podem ser:
- Falta de apetite;
- Náuseas e vómitos;
- Mal-estar;
- Aparecimento de um tom amarelado na pele e nos olhos;
- Urina mais escura e fezes mais clara.

TRATAMENTO
O tratamento inicial baseia-se em dieta e repouso, evitando o consumo de alimentos e produtos que possam afetar ainda mais o fígado. Há medicamentos que tentam impedir que o vírus se continue a multiplicar.

PREVENÇÃO
A prevenção específica é possível através da vacinação, que está contemplada no PNV desde o ano 2000.
 

GONORREIA
A Gonorreia é uma doença provocada pela bactéria Neisseria Gonorrhoeae, que se transmite por via sexual e durante o parto e mesmo que a pessoa não tenha sintomas, pode contaminar o recém-nascido.

SINTOMAS
Os sintomas começam a surgir 2 a 14 dias após o contágio, e consistem num desconforto na uretra, ardor ao urinar e corrimento com cheiro e, na mulher, também, desconforto no colo do útero. Outras zonas de contacto sexual como boca, garganta e ânus podem também ser afetadas. Caso o tratamento não seja iniciado precocemente, a doença pode alastrar para outros órgãos, toda a pélvis da mulher e até envolver as articulações. A infertilidade é uma complicação possível.

TRATAMENTO
O tratamento é feito com antibióticos.
 

CLAMÍDIA 
A Clamídia é provocada pela bactéria Chlamydia trachomatis, e os sintomas podem só surgir anos após a infeção e são semelhantes aos da Gonorreia, assim como as complicações. O diagnóstico definitivo é obtido através de testes laboratoriais.

TRATAMENTO
O tratamento é feito com antibióticos.
 

SÍFILIS
A Sífilis resulta da infeção pela bactéria Treponema pallidum e consiste numa doença com 3 fases

1º fase:
O primeiro sinal é uma úlcera, habitualmente única e indolor, que surge no local de contágio (pénis, ânus, recto, vulva, colo do útero, lábios ou boca), cerca de 2 a 4 semanas após a infeção. 
2º fase:
A úlcera cicatriza em 3 a 12 semanas, mas a doença espalha-se por todo o corpo e surge febre, falta de apetite e cansaço. Aparecem manchas no corpo, tipicamente nas palmas das mãos e plantas dos pés, bem como problemas de visão, otites e dores articulares. A doença pode ficar adormecida durante anos, mas é detetável através de análises específicas.
3ª fase:
Mais tarde, a doença pode evoluir para a sua fase terciária com graves consequências articulares, cardiovasculares e neurológicas. A transmissão da bactéria ocorre durante a atividade sexual e durante o parto, podendo ter efeitos graves no recém-nascido.

TRATAMENTO
O tratamento é feito com antibióticos, tipicamente a penicilina.
 

Em caso de suspeita de contacto desprotegido com pessoa infetada ou de sintomas suspeitos, consulte um médico de Medicina Geral e Familiar

Dra. Gilda Miranda
Médica de Medicina Geral e Familiar
Clínica Santa Filomena | Cantanhede
Clínica Santa Filomena | Lousã
Clínica São Francisco | Pombal

scrollTop